Lan House podem aderir ao E.I (Empreendedor Individual)

5 fevereiro, 2010 3 comentários

 

O segmento de Lan House, assim entendido como Exploração de jogos eletrônicos e recreativos, com locação de produtos de informática no próprio local, poderá optar pelo SIMPLES Nacional – Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, instituído pela Lei Complementar nº 123/2006, caso a receita bruta de sua atividade não ultrapassar R$ 240.000,00 (microempresa) ou R$ 2.400.000,00 (empresa de pequeno porte) e respeitando os demais requisitos previstos na Lei. Nesse regime, o empreendedor poderá recolher os seguintes tributos e contribuições, por meio de apenas um documento fiscal – o DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional): • IRPJ (imposto de renda da pessoa jurídica); • CSLL (contribuição social sobre o lucro); • PIS (programa de integração social); • COFINS (contribuição para o financiamento da seguridade social); • ICMS (imposto sobre circulação de mercadorias e serviços); • ISS QN ( imposto sobre serviços de qualquer natureza); • INSS – Contribuição para a Seguridade Social relativa a parte patronal. Conforme a Lei Complementar nº 128/2008, as alíquotas do SIMPLES Nacional, para esse ramo de atividade, vão de 4% até 11,61%, dependendo da receita bruta auferida pelo negócio. No caso de início de atividade no próprio ano-calendário da opção pelo SIMPLES Nacional, para efeito de determinação da alíquota no primeiro mês de atividade, o empreendedor utilizará, como receita bruta total acumulada, a receita do próprio mês de apuração multiplicada por 12 (doze). Se o Estado em que o empreendedor estiver exercendo a atividade conceder benefícios de isenção e/ou substituição tributária para o ICMS, a alíquota poderá ser reduzida conforme o caso. Na esfera Federal poderá ocorrer redução quando se tratar de PIS e/ou COFINS. Se a receita bruta anual não ultrapassar a R$ 36.000,00, o empreendedor poderá se enquadrar como Microempreendedor Individual – MEI, ou seja, sem sócio. Neste caso, os recolhimentos dos tributos e contribuições serão efetuados em valores fixos mensais conforme abaixo: O empresário não precisa recolher os tributos do sistema unificado, exceto: ISS valor fixo de R$ 5,00 (cinco reais) e ICMS valor fixo de R$ 1,00 (um real), independente do faturamento, quando devido de acordo com o ramo de negócio, para este caso: I) Sem empregado • R$ 51,15 mensais para o INSS relativa à contribuição previdenciária do empreendedor; • R$ 5,00 → a título de ISS Imposto sobre serviço de qualquer natureza. (só locação não tem ISS, locação com serviço de informática acrescenta o ISS) II) Com um empregado O empreendedor recolherá mensalmente, além dos valores acima, os seguintes percentuais: • Retém do empregado 8% de INSS sobre a remuneração; • Desembolsa 3% de INSS patronal sobre a remuneração do empregado. Havendo receita excedente ao limite permitido (R$ 36.000,00) não superior a 20% (R$ 43.200,00) o MEI terá seu empreendimento incluído no sistema SIMPLES NACIONAL Conclusão: Para este segmento, tanto como LTDA quanto MEI, a opção pelo Simples Nacional sempre será muito vantajosa sobre o aspecto tributário, bem como nas facilidades de abertura do estabelecimento e para cumprimento das obrigações acessórias. Fundamento Legal: Leis Complementares 123/2006, 127/2007, 128/2008 e Resoluções do CGSN – Comitê Gestor do Simples Nacional. FONTE: http://www.sebrae.com.br/momento/quero-abrir-um-negocio/defina-negocio/ideias-de-negocio/integra_ideia?id=D6A2D239D31A38B383257202004BC102&campo=infLegais

Anúncios

Lan House e Suas Leis

20 janeiro, 2010 3 comentários

Empresário Brasileiros: Somos mais que vencedores !

brasil

Após ler reportagem em que o Brasil se destaca subindo 8 posições no ranking da competitividade devido “a melhora na competitividade brasileira ser fruto do seu setor empresarial inovador e sofisticado, do tamanho de seu mercado e da melhora na área de estabilidade macroeconômica, comparada com o ano anterior”, disse o Fórum em uma nota oficial. Então posso concluir que a melhora da competitividade do Brasil se deu 50% por esforços dos empresários e 50% por parte da economia. Podemos dizer que se trata de uma parceria! E eu sinceramente acho que os empresários brasileiros fizeram a sua parte, pois em um ambiente totalmente adverso e difícil para a iniciativa privada ela ainda consegue dar um show e levantar a bola do país para os economistas estrangeiros verem. Às vezes acho que eles ficam bobos quando olhando para a nossa situação extremamente difícil (o Brasil ficou na última colocação no quesito impacto dos impostos. O País tem a 2ª pior regulação estatal e o 6º pior desempenho em número de dias para abrir um negócio, é o que diz o mesmo estudo) e verem empresários com resultados superpositivos, conseqüentes de inovação, criatividade, coragem, ousadia e otimismo. “Só quatro países desperdiçam mais dinheiro público que o Brasil. No item corrupção, o País está entre os 13 piores. No critério de confiança sobre políticos, o Brasil ocupa apenas a 127ª posição. A qualidade do ensino também vem freando a competitividade. O Brasil ainda tem o 10º pior resultado em termos de desempenho em matemática. O sistema de educação passou da 117ª colocação para a 103ª, mas ainda está distante dos líderes. No quesito infraestrutura, os portos nacionais ainda estão entre os seis piores em competitividade. E no critério custo da violência, o País fica entre os 15 economias mais caras do mundo” é o que diz o relatório do Fórum Econômico Mundial deste ano. Amados, o nosso Brasil varonil é único, aqui a esperança, o otimismo e a perseverança vencem a cobrança de impostos desfavorável, o temor da violência que ronda as nossas mentes e a deficiência educacional escrita, oral e de conhecimentos fundamentais básicos que mesmo assim não conseguem apagar o brilho da nossa criatividade. Por isso os saúdo e lhes digo que na verdade somos mais que vencedores!

Categorias:Atendimento

Impostos X Gerenciamento (parte I)

img_01

Voces sabiam que a grande maioria das micro e pequenas empresas que quebram não pagam devidamente seus impostos? Então caros leitores, se não pagar impostos fosse receita de sucesso muitos não tinham fechado as portas né!

Muitos casos que conheço começaram assim:

O empresário abre o seu negócio próprio, alguns depois de anos na informalidade, fica ali meio desconfiado, tímido, com medo do LEAO e vai trabalhando sem prestar contas …passa mês, passa outro mês, a Receita Federal não notificou e ele continua, muitas vezes sem contador (ou só para uma declaração urgente), porque o contador é caro e ele tá começando não pode pagar, aumentar as despesas (o contador é despesa pra ele), de certa forma ás vezes ele tem razão, pois o contador (não são todos! prefiro acreditar que a minoria) não exercem seu papel de conselheiro gerencial, um orientador contábil e empresarial e sim cedem aos apelos de seus clientes para ser um consultor do “jeitinho brasileiro de driblar impostos“.

Mas voltando ao assunto inicial, muitos deles passam anos trabalhando formal e fazendo uma declaração de Imposto de Renda INATIVA  ou bem abaixo do real. Lá pelo 4º ano, a empresa  já conseguiu se estabeler, mas estar cambaleante, muitas vezes é pressionada pelo mercado para crescer mas não tem capital de giro e nem dinheiro para investir em infra-estrutura e equipamentos, porque durante os anos anteriores ele estava “apanhando” da sua própria gestão e não conseguiu fazer caixa para reivestir (aumentar o capital), aí o empresário corre para o banco na esperança de conseguir um empréstimo para micro e pequenas empresas com juros menores. Mas aí sabe o quê que acontece? O banco pede a declaração de Imposto de renda doas anos anteriores e aí: Inativa ou bem abaixo do real. então, claro, seu limite junto ao banco é bem pequeno (porque aumenta o risco) pois é baseada na sua declaração. Muitas vezes o limite crédito concedido  é bem menos do que o empresário precisa para salvar a sua empresa naquela hora e o problema não é resolvido, pior, se agrava porque ele adquire mais uma dívida.

Então o que fazer? Muitas vezes o próximo passo é correr para factories e agiotas  a juros exorbitantes ou vender um bem (quando tem), isso sem contar quando voce sem saída tem que pedir dinheiro emprestado para familiares (pressão a mil e o mundo prestes a desabar)

A pesquisa do sebrae mostra que 50% das micro e pequenas morrem no 4º ano de atuação e 62% no 5º ano. A pesquisa aponta que apesar das políticas de apoio as MPEs tenham evoluído positivamente as deficiencias na gestão empresarial pioraram (entendo aí a má gestão de custos, entre outras ) – (fonte: 10 anos de monitoramento da sobrevivencia e mortalidade de empresas – sebrae/SP).

Então meu caro empresário, faça o seguinte: calcule bem o seu custo e acrescente o valor devido do imposto no seu preço de venda ( www.sebraeminas.com.br  click na série SAIBA MAIS) e fique em paz com a Receita Federal alem de obter mais facilidade de credito no banco a juros menores.

Agora lembre-se: Ser micro e pequeno deve ser apenas um estágio da sua carreira empresarial ou voce não quer crescer?

Fazer artimanhas para não ultrapassar o teto máximo do supersimples pode lhe trazer complicações,  até porque a Receita federal cruza os dados da sua movimentação bancária ! A cada dia que passa será mais difícil driblar o sistema e fazer isso dará muito trabalho e exigirá infinitos controles para não deixar rastros.

Acredito que é mais fácil, seguro e mais barato se organizar e investir na sua gestão interna.

Boa Sorte!

Por trás do Ponto de Venda

12 março, 2009 1 comentário

olho_do_mal_filme1

Esta semana atendi uma senhora que foi em busca de ajuda no atendimento individual do SEBRAE. Ela me relatara que havia montado uma padaria e fechou, voltou a abrir a mesma padaria e tornou a fechar. Ela me disse que queria abrir a antiga padaria ou quem sabe outro negócio, pois o ponto era próprio e não podia ficar parado. Comecei a buscar respostas com ela sobre a localização do ponto comercial e os motivos que a levaram a fechar a 1ª e a 2ª vez.

Questionei a respeito da concorrência e ela me disse que haviam 4 padarias no bairro, com preços iguais aos dela mas ficavam um pouco mais afastadas da sua e não tinham a mesma estrutura. Foi então que ela me deu uma informação intrigante. Ela me disse que seu ponto ficava isolado e não havia vizinhança á pelo menos 3 quadras do local. Pedi que ela me descrevesse o lugar e foi aí que ela me revelou que seus vizinhos eram terrenos baldios e que tal condição facilitava a permanência de usuários de substâncias ilícitas no local, que por sinal ficava por trás do seu terreno. A mesma alegara ter sido assaltada 7 vezes.

Como atendo muitas pessoas no SEBRAE é inevitável que tenho muita informação sobre o comportamento de consumidores em bairros, pois os clientes acabam por me descrever os dias de melhor movimento e o perfil dos clientes . Uma das coisas que tem  me chamado atenção é que  um grande número  de consumidores de mercearias, padarias e açougues dos bairros periféricos de Rio Branco são na maioria crianças, pré-adolescentes e adolescentes.  Esse fato se dar porque a mãe, geralmente ocupada com os afazeres do lar ou cansada após chegar do trabalho, pede para que o “pequeno” consumidor vá a vendinha do bairro comprar o pão ou o item que teima em faltar.

Logo me veio a mente que realmente esse não era um bom local para a padaria da minha cliente em questão, principalmente porque se tal condição intimidava adultos, imagine então crianças e adolescentes.

A grande questão deste ponto de venda não era a sua infra-estrutura e nem a sua localização em si, mas o temor da redondeza que espantavam os clientes.  Por isso, queridos empresários, antes de alugar um ponto de venda para abrir seu negócio, não olhe somente a fachada, procure saber como é movimento e se há problemas dessa natureza que podem afetar seu empreendimento.

Ah, antes de terminar esse post quero fazer mais uma observação sobre as crianças: não subestime o pequeno consumidor, pois eles têm bastante disposição para andar mais uma légua até o seu concorrente, se preciso for, só para não serem atendidos por pessoas mal humoradas.

Pensem nisso!

Abraços.

O “segredo” do negócio

indias1

Esses dias estava assistindo a novela Caminho das Índias e achei bem interessante a forma como os personagens de Tony Ramos e Osmas Prado “tratam” os seus negócios. Lembro-me que Raj (filho de Tony Ramos na novela) é um grande gênio da informática e quer trazer inovação para a loja de tecidos do Pai. A ídéia de Raj é proporcionar que a lojinha local possa vender pela internet e assim alcançar o mundo, digo…”proporções bem maiores” ou ” faturamento bem maiores”, mas Opasch (Tony Ramos) não foi muito amigável com a idéia, pelo contrário. O empresário da ficção se recusou a informatizar a loja e principamente ….tchantchantchan…. se desfazer do seu MAIOR tesouro, o LIVRO CAIXA. Lá está guardado o “SEGREDO DO NEGÓCIO”. É no livro caixa que Opach tem revelado, quanto ganha e quanto gasta para adquirir seus tecidos e  por consequencia …é possível saber seu lucro. Foi incrível ver a intimidade de Opach com o livro, fez questão de mantê-lo em sigilo e longe dos “olhos gordos” e das “maldiçoes” indianas. Parece engraçado, mas resguardar o LIVRO  é um assunto sério para Opash e deveria ser sério para voce também, que é ou pretende ser empresário. Pergunto a você, micro e pequeno empresário, ou quem sabe a voce que tem um negócio informal. Quantos de vocês, sinceramente, possuem as anotações no livro caixa atualizadas? Quantos de voces, realmente são organizados com seus controles e informações? Sinceramente, durante anos aqui no atendimento individual do Sebrae, tenho visto poucos… Acho que só porque voce é pequeno ou ainda não é formal, não quer dizer que seu negócio não mereça respeito e um pouco mais de sua atenção. Muitas vezes a visão do micro é que organização e anotações são coisas para os grandes ou para quando FOR grande. Só que infelizmente, caro leitor, se você não tem as informações de seu negócio, não for organizado e fiel na anotação do movimento de seu CAIXA, dificilmente chegará a ser GRANDE. Agora é claro que não sou contra ao avanço da tecnologia como sugerido no início do artigo, rsrsrs, você tem várias maneiras de registrar seu movimento, por planilha de excel, por software, no seu caderninho, não importa, o que importa é que voces as tenham e não pare de alimentá-las pois anotar uma vez na semana também não adianta nada.  A vantagem de trabalhar com sistema informatizado é o controle do estoque, pois esse é extremamente importante que esteja atualizado, principalmente para quem trabalha com muitos itens, pois para sumir com um item no meio de muuuuuuuuuitos é fácil demais para um funcionário. Por isso eu alerto: Tenha seus controles para não perecer depois.

Boa sorte!

QUERO MONTAR UMA LAN HOUSE!

12 fevereiro, 2009 72 comentários

 

 

lan-house1

 

Recebi uma dúvida de um cliente que me foi encaminhada através do Call Center do SEBRAE. Resolvi compartilhar com todos. Lá vai:

Ola … tudo bem?
Meu nome é Lucas, tenho 18 anos (dezoito anos), estou querendo abrir um negocio, mas nao tenho dinheiro para abrir esse negocio, atualmente trabalho em uma Lan House, a dona dessa la house esta vendendo ela, mas não tenho o dinheiro preciso pra pagar o preço queela quer…
Queria ver se tem como fazer algum emprestimo no banco, ou algo assim, pra que eu possa investir…
E tambem queria saber se é um bom negocio, o local é otimo, e bem movimentado, da pra pra investir bastante…
Agradeço desde ja…
Espero a sua sugestão…
até Breve…


Oi Lucas tudo bem!

 

Veja bem, sobre o negócio não posso dizer se o investimento é bom ou ruim, pois você não dar muitos dados reais como faturamento, numero de clientes atendidos por dia,  por exemplo.

Voce diz apenas que é bem localizado e bem movimentado, isso é um bom indicador.

 

Mas vamos lá: 1º, verifique se o valor que a proprietária está pedindo pelos equipamentos estão de acordo com o mercado. Verifique a configuração dos computadores e vá pesquisar os valores dos novos e compare os preços. Pesquise na cidade se há alguém vendendo equipamentos usados semelhantes para comparar preços. Nunca compre equipamentos (mesmo usados) sem notas fiscais, pois isso pode prejudicá-lo depois. Você não informa se ela está vendendo o ponto, se sim, verifique o valor dos pontos comerciais na região através de uma imobiliária, ok.

Lucas, o Sebrae não faz financiamentos, estes, são realizados diretamente com os Bancos.Para você pleitear um empréstimo a juros menores e carência, você deve abrir uma empresa. Os bancos não financiam a compra do imóvel, somente dos equipamentos. Para isso você deve oferecer garantias reais para o financiamento (terreno, casa, etc…).

 

Voce não revelou o valor do investimento, mas acredito que como é uma lan house, o valor não é muito alto. Como você é jovem e provavelmente não tem comprovação de renda suficiente, sugiro que converse com alguém de sua estima e confiança para ver a possibilidade dos mesmos serem seus avalistas na hipótese de um empréstimo pessoal. Caso não seja possível, faça um plano de negócio da lan house, com esse documento em mãos será mais fácil de você arranjar um sócio (que entre com o dinheiro) e você entra com o trabalho (administração). Registre a empresa (sociedade ltda). Uma ultima dica: sociedade empresarial é como casamento. Discuta bem com o seu sócio, o percentual na sociedade e qual o papel e a responsabilidade de cada um no negócio. É importante que isso fique claro!

 

Acesse: www.sebraeminas.com.br  e baixe um software gratuito para Plano de negócio. No mesmo site há uma seção chamada PONTO DE PARTIDA, onde você encontra informações técnicas sobre a implantação de vários negócios inclusive LAN HOUSE.

 

Boa sorte!

 

Samara Brandão

Analista de Orientação Empresarial – SEBRAE /AC